Estudantes do IEMA da Vila Embratel participam de ação da Justiça pela Paz em Casa


Equipe da CEMULHER promove atividade com 80 estudantes do IEMA
 da Vila Embratel. Foto: Ribamar Pinheiro/ Asscom TJMA

Dando início às atividades promovidas durante a 13ª Semana da Justiça pela Paz em Casa, o Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA), por meio da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar (CEMULHER), exibiu o filme “Mulher Maravilha” para oitenta estudantes do ensino médio do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão (IEMA), nesta segunda-feira (11), na Vila Embratel, em São Luís (MA).

A 13ª Semana da Justiça pela Paz – realizada em âmbito nacional pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) e Poder Judiciário – acontece dos dias 11 a 15 de março. A exibição do filme “Mulher Maravilha” faz parte do projeto “Cine Mulher”, promovido pela CEMULHER, presidida pela desembargadora Ângela Salazar.

“O projeto tem como objetivo sensibilizar a comunidade, por meio da linguagem audiovisual do cinema, para que reflitam criticamente sobre a temática das relações de gênero e da violência doméstica e familiar contra a mulher”, diz a desembargadora sobre o projeto.

Para a psicóloga do TJMA, Edla Ferreira, o filme traz uma mensagem altruísta de combate às desigualdades e busca pela pacificação da sociedade. “O destaque principal do filme é o altruísmo. Uma personagem que luta para acabar com as guerras, com o desejo de que a sociedade viva em paz. Não se trata de uma luta entre os sexos, mas de combater as desigualdades”, destacou.

A psicóloga enfatizou a importância do papel do Judiciário ao promover atividades contínuas com a comunidade para prevenção à violência contra a mulher. “Fazemos esse tipo de atividade preventiva de forma permanente, provocando a discussão com a sociedade sobre diversos temas que tratam questões sobre gênero, mitos e preconceitos”, explicou.

A estudante do 1º Ano do Ensino Médio, Paula Carvalho, afirmou que o filme contribui para a quebra de tabus ao mostrar a figura de uma mulher guerreira, que tem voz e não pode ser calada. “Eu acredito que em uma democracia todos devem ter direitos iguais, esse filme é só mais uma demonstração disso. O filme retrata a mulher que salva o mundo, que tem voz, colocando ela em mesmo padrão. Só veio para somar”, declarou.

A gestora administrativa do IEMA, Christiane Correa, agradeceu a presença da equipe do TJMA e do trabalho desenvolvido pela CEMULHER. “A gente se sente grato e, ao mesmo tempo, feliz de saber que as instituições não esperam apenas que a comunidade as busquem, mas elas também se propõem a estar dentro do nosso espaço, dentro da nossa escola, promovendo esse diálogo com a comunidade, a gente só tem a agradecer”, concluiu.

CAMPANHA – A Campanha Justiça pela Paz em Casa foi criada em 2015, pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em parceria com os tribunais de Justiça estaduais, com o objetivo de ampliar a efetividade da Lei Maria da Penha (Lei n. 11.340/2006), concentrando esforços para agilizar o andamento dos processos relacionados à violência de gênero.

A iniciativa integra a Política Judiciária Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. No período, magistrados vão concentrar esforços para impulsionar e julgar processos que envolvam casos de violência doméstica e familiar contra as mulheres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário